A culpa não é do futebol…

Uma interessante matéria sobre tanto mimimi de abordar a política pão e circo, ou ainda que a Copa esconde as verdades sobre o país. “Textão” em rede social para denunciar o caos cotidiano sob um forte discurso de protesto, que depois é jogado na lama diante da urna eletrônica.

Sobre isso e muito mais um bom texto para refletir:

Como pesquisador do futebol, estudante do Mestrado em Antropologia na Universidade Federal da Paraíba, eu fico triste ao ver que o esporte é sempre o primeiro alvo e a primeira vítima em momentos de tensões extremas como o atual.

As frases são sempre as mesmas:

– O mundo se acabando e o povo pensando em futebol.
– Daqui a pouco o jogo começa e o povo esquece de tudo.
– O Brasil pegando fogo e o povo gritando gol.

Pensamento simplista. Tolo. Minimizador.

Primeiro de tudo, o futebol é indiscutivelmente um dos maiores mobilizadores dos povos mundo afora.

Potencial aglutinador incrível.

Espaço de sociabilidades, de demarcação de territórios, de definição de identidades.

O futebol já foi protagonista de algumas ações políticas inegavelmente incríveis. Histórias em que o esporte se posiciona, toma partido, se apresenta como resistência, quebra a ordem vigente. Provoca o caos transformador típico das revoluções.

Dentro de campo e nas arquibancadas.

Sempre foi assim.

No Brasil e fora dele.

Achar que o torcedor de futebol está necessariamente alheio ao que acontece em seu entorno apenas porque acompanha futebol é de um preconceito raso. De uma debilidade absurda. De uma ignorância medonha.

E é claro que tem muito brasileiro que não está nem aí com os incêndios diários que acontecem em Brasília e nas esferas políticas brasileiras.

Mas a culpa é de um país que pouco dá importância à educação. Em que as instituições políticas estão falidas. Em que a corrupção é endêmica.

A culpa, meus amigos, acredite, não é do futebol.

>>>

***Texto de Phelipe Caldas, que é jornalista (investigativo) formado pela Universidade Federal da Paraíba e autor do livro “Academias de Bambu – boemia e intelectualidade nas mesas de bar”. Neste espaço, escreve sobre os bastidores do esporte – paraibano ou não.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPapa Francisco: “Vocês sabem como as ditaduras fazem para destruir uma pessoa?”
Artigo seguinteGean é nosso amigo!
Wallace Maxsuel de Azevedo, 29 anos, graduado em Jornalismo pela Universidade Potiguar (UnP), atua na comunicação desde 2006. Além dos veículos de imprensa também foi diretor de órgãos públicos e Secretário Municipal. Integrante da Pastoral da Comunicação (PASCOM) de Santa Cruz, e membro dedicado da comunicação Católica no RN. Criou o Blog do Wallace em junho de 2009, possibilitando para a região do Trairi um espaço virtual de qualidade e credibilidade. Fotógrafo amador, flamenguista e casado.