Colégio IESC conquista medalhas em concurso internacional de matemática

A qualidade do colégio IESC é evidenciada a cada participação em concursos e eventos educacionais, e essa soma aumenta com a premiação do Concurso Internacional Canguru de Matemática, ocorrido no mês de março, e com premiações entregues nesta sexta-feira (21). Mais de 180 mil estudantes brasileiros participaram da última edição, que envolveu 6 milhões de estudantes de 52 países no total do certame.

Os alunos do IESC receberam a orientação dos professores de matemática, Genilson Costa, Pedro Dantas, Daniel Aprígio e Daniel Celeste. “É a segunda vez que os alunos do IESC participam do concurso, conseguimos uma medalha de prata e quatro de bronze”, destacou o professor Genilson Costa, que ainda explicou que a escola foi a única instituição da Trairi a participar. “É uma grande honra, entre várias escolas nossos alunos pela segunda vez serem classificados entre os melhores do país. E isso é um estímulo para outros alunos para que eles se dediquem bastante, pois todos são capazes. Basta apenas ele querer e ir atrás do seu sonho”, disse.

OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA

Aluno-medalhista Ângelo e as diretoras Maria Gorete e Almandina Castilho

Se na competição internacional o IESC apresentou mais um bom rendimento, nas Olimpíadas Brasileira de Matemática das Escolas Públicas e Privadas também tem classificados para a segunda etapa. Os alunos Ângelo e Jamilly são os estudantes que participarão da segunda etapa em setembro. “O filósofo Nietzsche disse uma vez que o que não nos mata, nos fortalece. Isso porque na experiência absorvemos informações, e qualquer tipo de informação é útil/válida e pode ser usada em alguma situação. A participação na Olimpíada Canguru de Matemática 2017 foi uma ótima experiência e com certeza me agregou valor e conhecimento para as próximas edições”, disse o estudante Ângelo.

“Uma experiência única, além de acarretar avanços no seu currículo escolar, agrega um conhecimento que é inimaginável. Espero poder participar outras vezes, inesquecível”, comenta Jamilly, que também se classificou para mais uma etapa da OBMEP, sendo essa competição uma realização do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA).

Professor Genilson e sua aluna-medalhista Jamilly

“A percepção de olimpíadas vai de encontro às velhas técnicas tradicionais, que reduzem as olimpíadas de matemática em procedimentos previamente fixados e forte espírito de competição. O trabalho preparatório não substitui as explanações teóricas das salas de aula e nem de um laboratório didático, porém, serve como ferramenta complementar da aprendizagem e para atribuição de novos significados das olimpíadas, contribuindo com o saber do aluno”, comenta o professor de matemática Genilson Costa, graduado em Matemática pela Universidade Federal Rural do Semi Árido.

Já o professor Pedro Dantas acredita que as olimpíadas abrem “portas” na vida acadêmica do aluno. “Atividades de extensão como esta permitem ao aluno se projetar mais longe em sua carreira. Alunos que obtêm bons resultados nesse tipo de olimpíada costumam ver portas se abrindo ao longo de sua vida, e sinto que esse é o papel do professor, fazer seus alunos chegarem mais longe, sinto uma grande satisfação em ver isso”, comentou.

Alunos medalhistas com os professores Genilson e Daniel

DIA NACIONAL DA MATEMÁTICA

O estímulo para a matemática não fica apenas nesses exames e competições, para chamar a atenção dos alunos, a equipe de matemática do colégio IESC promoveu no mês de maio uma semana voltada para as comemorações ao dia Nacional da matemática. O evento foi direcionado para o ensino fundamental e médio, uma experiência enriquecedora em todos os sentidos. Com oficinas, palestras, exposições, filmes e jogos.

IESC MEDALHISTA

O quadro de medalhas do IESC só aumenta a cada participação nos eventos e exames nacionais, internacionais e regionais. Se levarmos em conta a Olimpíada Internacional Canguru de Matemática, Olimpíada Brasileira das Escolas Públicas e Privadas (OBMEP), Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) e Olimpíada Norte rio-grandense de Matemática (OMRN), o quadro de medalhas tem uma de oura, três de prata e sete de bronze, totalizando 11 medalhas.