Gija sobre Jorginho: “Ele não pagou porque não quis”

As polêmicas em Tangará continuam, e em mais um capítulo entre Gija versus Bezerras o blog acompanhou todas as informações. O ex-prefeito Gija, principal articulador do Governo do seu filho, Alcimar Germano (PROS), falou com exclusividade sobre a situação dos pagamentos dos salários dos servidores municipais. O ex-prefeito afastou qualquer acusação de falta de transparência.

“Esses documentos foram entregues a ele[Jorginho] no dia 04 de Janeiro, quarta feira, inclusive dizendo com que conta pagava os funcionários lá na prefeitura. O problema é que ele ta querendo economizar, e tá querendo pagar os professores só com o que ficou no FUNDEB, que é de R$ 168 mil”, afirmou Gija, que ainda explicou porque o Prefeito decidiu por essa saída. “Porque se colocou a Previdência Privada em dias, mas a gente deixou ele[Jorginho] pagar os professores com o FPM, e o dinheiro ficou na conta. Ficou faltando R$ 100 mil, que dava para ele complementar com a parcela do dia 10”, explicou.

Para Gija, Jorginho não fez o pagamento “porque não quis”, e revelou sua insatisfação com a nota emitida pelo prefeito, que falava em falta de transparência na transição de governos. “Ele[Jorginho] não pagou porque não quis. O que chateou foi aquela nota que ele colocou como se não tivesse transparência de nada. Foi feita a transição, foi feito tudo, absolutamente tudo. Agora ele está com a dificuldade de início de governo, e poderia dar uma nota dizendo que tava organizando os tokens e as senhas, que ia pagar os funcionários. Agora querer pagar R$ 600 a cada professor, isso é conversa fiada, disse.

E ainda complementou sua opinião sobre esse momento caótico para Tangará, avaliando o início do terceiro mandato de Jorginho Bezerra. “Eu acho que ele começou muito mal”, finalizou Gija.