O desafio do Brasil em 2017 é superar o ridículo

O italiano Humberto Eco tinha razão, e não me canso de repetir isso cada vez que faço o login no Facebook. “As redes sociais deram voz aos imbecis”. Essa máxima de Eco nunca foi tão atual diante do avalanche de postagens ridículas e depreciativas para a nossa sociedade. Não querendo dizer que “os modinhas” sejam os donos da verdade, longe de querer parecer com os “paladinos do impeachment” e da salvação imediata a partir de um único ato, mas quero suscitar uma debate pela lógico e o mais sensato.

Os principais diálogos estão em torno do primeiro-damismo de Marcela Temer e suas roupas, ou seu discurso (quando autorizado). Por que não ainda trazer o questionamento sobre o baixo rendimento dessa legislatura do Congresso Nacional? Nunca torcemos tanto para chegar uma nova eleição para o parlamento brasileiro. Por que perdemos tempo discutindo sobre a crença do outro, se podemos coexistir e respeitar o próximo? Isso não é um princípio cristão ou quase universal entre as religiões?

O desafio de nós brasileiros em 2017 é superar o ridículo. Sim! Superar os debates e ideias ridículas que estamos cotidianamente propondo. É preciso que parem de agir como crianças nessa eterna guerra situação versus oposição. Não vamos construir uma democracia com esse comportamento infantil.

Respeito à democracia é fundamental, pois em 2016 esquecemos totalmente isso ao ver o país mergulhar numa crise política. Não será uma intervenção militar ou de qualquer outra natureza que fará o país sair do brejo para onde a classe política jogou a nação. Só existe uma intervenção possível para a democracia, a intervenção do voto a cada mandato. Quem entrou e sujou, que limpe e saia.

Fica difícil acreditar em um futuro melhor com um clima de pragmatismo exagerado. Não vivemos tempos pragmáticos, vivemos tempos depressivos e de lamúrias virtuais. Em tempos da publicidade das decepções, se espelhar em autoestima é cada vez mais raro. Fiquemos atentos aos bons ventos, que ainda soprarem em algum canto deste mar tempestuoso.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMossoró ganha Café do Trabalhador, Procon estadual e laboratório do Ipem
Artigo seguinteNinguém quer falar de 2018
Wallace Maxsuel de Azevedo, 29 anos, graduado em Jornalismo pela Universidade Potiguar (UnP), atua na comunicação desde 2006. Além dos veículos de imprensa também foi diretor de órgãos públicos e Secretário Municipal. Integrante da Pastoral da Comunicação (PASCOM) de Santa Cruz, e membro dedicado da comunicação Católica no RN. Criou o Blog do Wallace em junho de 2009, possibilitando para a região do Trairi um espaço virtual de qualidade e credibilidade. Fotógrafo amador, flamenguista e casado.