Tomba rebate informação do vice-prefeito de Currais Novos

Foto Eduardo Maia/Assessoria de Imprensa

O deputado estadual Tomba Farias (PSB) disse hoje que a execução da obra da adutora de Currais Novos será finalizada em breve, faltando, para isso, apenas a assinatura de um aditivo que irá viabilizar a liberação de recursos para a construção do restante do empreendimento. O parlamentar destacou ainda que o vice-prefeito daquele município se equivocou ao conceder uma entrevista a uma emissora de TV a cabo e dizer que a adutora não seria concluída, pois a empresa responsável pela obra teria falido.

Tomba Farias destacou que a adutora já está com 95% da obra concluída e a Cosern já realizou, inclusive, a ligação do sistema elétrico de quatro estações de bombeamento. O parlamentar acrescenta que falta apenas o governo federal repassar cerca de R$ 1.240 milhão, recurso que já está aprovado desde março.

Tomba Farias explica que, pela regra atual, o aditivo tem que ser aprovado pelo Comitê Gestor do PAC, através da assinatura dos ministros da Secretaria de Governo (Antonio Imbassahy), Planejamento (Dyogo Oliveira) e Fazenda (Henrique Meirelles). De acordo com Tomba, na próxima semana, ele, juntamente com o senador José Agripino Maia e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves vão à Brasília, para uma audiência com Henrique Meirelles, para agilizar a assinatura do aditivo.

DNOCS

Tomba Farias disse ainda que, na tarde de hoje, encaminhou pedido de esclarecimento ao DNOCS, sobre a conclusão das adutoras dos municípios de Jardim de Piranhas, Timbaúba dos Batistas, Caicó e São Fernando. O resultado da consulta ao órgão deverá ser apresentado nesta quarta-feira pelo parlamentar, durante a sessão plenária.

A iniciativa do parlamentar de consultar o DNOCS é uma consequência de denuncia apresentada pelo deputado Nélter Queiroz, que afirma que as adutoras das cidades de Jardim de Piranhas, Timbaúba dos Batistas, Caicó e São Fernando não foram concluídas por influência politica após, a obra, que tinha como responsável o Governo do Estado, passar a ser do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS).