UFRN participa de pesquisa sobre Migração do Rádio AM

O Grupo de Pesquisadores do Rádio do RN, ligado à base de pesquisa de Comunicação, Cultura e Mídia (Comídia), da UFRN, participa, desde o início de março, da pesquisa nacional “Migração do Rádio AM para o FM: análise do processo, sustentabilidade, audiência e impacto no conteúdo, programação, profissionais e estratégias de relacionamento com a audiência”, organizada pelo Grupo Rádio e Mídia Sonora da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

O objetivo principal da pesquisa é compreender o impacto da migração das emissoras de rádio AM para FM no Brasil. No Rio Grande do Norte, o grupo formado por dez pesquisadores da UFRN – incluindo professores, alunos de pós-graduação, servidores técnicos e ex-alunos – acompanhará 14 emissoras instaladas em todas as regiões do estado que já migraram ou estão em processo de migração.

“A maior parte das emissoras de rádio do nosso estado está contribuindo com informações para a pesquisa, que consideramos de grande importância para a área da comunicação, por permitir o registro de uma mudança tão importante praticamente no momento em que a mesma está ocorrendo, além de nos permitir estudar os seus impactos no setor de radiodifusão”, comenta o coordenador da pesquisa em âmbito potiguar, Jeferson Rocha.

Na primeira etapa da pesquisa, serão coletados e analisados dados com base em questionários aplicados junto às diretorias das emissoras que se preparam para passar pelo processo de migração ou que já o fizeram. Posteriormente, serão elaborados textos com a interpretação das informações, apresentando um panorama geral dessa mudança. O trabalho é realizado em parceria com a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

A pesquisa será publicada em um livro contendo os resultados do trabalho realizado em todos os estados da federação e deve ser lançado no próximo Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, que acontece de 2 a 8 de setembro, em Joinville-SC. Outras informações sobre a pesquisa podem ser consultadas neste link.