Hospital Regional Deoclécio Marques

Gustavo Carvalho diz que fechamento de hospital é ato desumano

Em pronunciamento feito na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (5), o deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB) afirmou que o fechamento do Hospital Regional Deoclécio Marques, localizado em Parnamirim, é ato “desumano” do Governo do Estado. Ele disse que o novo modelo de contratação pensado pelo Poder Executivo já foi praticado por outros estados e hoje são alvo de operações que apuram a práticas irregulares.

“Fechar o Hospital de Parnamirim é um absurdo. Trata-se de um ato desumano. O Governo diz que é culpa da burocracia, mas é mentira. O Governo também afirma que os pacientes serão tratados pelo Hospital Estadual Ruy Pereira, mas já sabemos que essa unidade de saúde também será fechada. É um completo absurdo”, declarou o parlamentar no plenário do legislativo estadual.

Gustavo Carvalho também se pronunciou sobre o modelo de contratação pensado pelo Governo, via decreto governamental, com organizações sociais. “Estamos vendo o que aconteceu no Rio Grande do Sul e na Paraíba, com operações em curso, que apuram desvio de dinheiro para uso em campanhas eleitorais”, alertou o deputado, fazendo menção à Operação Calvário.

APARTES
Em aparte a Gustavo Carvalho, o deputado estadual Galeno Torquato (PSD) disse que o Governo promove, atualmente, a desregionalização da saúde, usando como exemplo o fechamento do Hospital Regional Dr. Getúlio de Oliveira Sales, em Canguaretama. O deputado estadual Francisco do PT leu, também em aparte, a nota da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), na qual é afirmado que “o Hospital de Parnamirim não deixará de realizar cirurgias”.


r87

Cirurgias ortopédicas são suspensas no Deoclécio

Do site da Tribuna do Norte

O Hospital Estadual Deoclécio Marques, em Parnamirim, está sem médicos ortopedistas na manhã desta terça-feira (5), primeiro dia após o encerramento do contrato entre Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) e Cooperativa dos Médicos do RN (Coopmed). A situação contraria o pronunciamento da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), que garantiu a manutenção de cirurgias através de médicos com vínculo efetivo com o Estado.

Um comunicado escrito por dois médicos plantonistas noturnos, colocado na recepção do hospital, informa a falta de profissionais para garantir o atendimento 24h na unidade. “Cumpri meu horário de plantão noturno neste serviço e que, ao término do meu turno, não encontrei substituto para o plantão”, informa o comunicado, dirigido à direção técnica do Hospital Deoclécio Marques.

Além da interrupção das cirurgias, também não há consultas com ortopedistas nesta terça-feira. Os pacientes que estavam com horário marcado foram pegos de surpresa ao chegar no hospital e reclamam de não conseguir remarcar o retorno.

É o caso de Gileno Xavier, de 55 anos, do município de Eloi de Souza, distante 70 km de Parnamirim. Gileno sofreu um acidente de moto há 45 dias e quebrou a perna. Ele retornou ao hospital nesta terça-feira para uma consulta de acompanhamento e, ao chegar na unidade, foi informado da falta de médicos. “Não sei quando vou voltar porque não informaram”, disse.

A direção do Hospital Deoclécio Marques não atendeu a reportagem, apesar de se encontrarem presentes na unidade. Questionada pela reportagem, a Secretária Estadual de Saúde Pública (Sesap) afirmou que apura a situação.


alrn-hoz