Montanhas

Ex-vigários de Santa Cruz assumem Paróquias em Ceará-Mirim e Montanhas

Novas transferências foram anunciadas pelo Arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha nesta quinta-feira (20), inclusive com Padres que passaram por Santa Cruz assumindo paróquias pelo território arquidiocesano.

Eis as mudanças:

  • Pe. José Pereira da Silva, ex-vigário paroquial de Santa Cruz, deixa a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Canguaretama, e será o novo pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Ceará-Mirim;
  • Pe. José Charles da Silva, até então vigário paroquial da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Canguaretama, foi nomeado administrador paroquial da mesma paróquia;
  • Pe. Jorge Alves Cardoso, que também foi vigário paroquial em Santa Cruz, estava na função de vigário paroquial de Ceará-Mirim, assumirá a Paróquia de São João Batista, em Montanhas, como administrador paroquial.

De acordo com a assessoria da Arquidiocese de Natal, as datas de posse dos novos padres em suas funções serão anunciadas em breve.


r87

Parque de Diversões furtava energia em Montanhas

A Polícia Militar prendeu no último sábado (21), depois de uma inspeção da equipe de plantão da Cosern que constatou a prática de furto de energia elétrica (o popular “gato”), Pedro Fernandes Filho, 58 anos, responsável pelo parque de diversões “Santa Terezinha”, instalado na Rua São João, na cidade de Montanhas (vídeo e fotos em anexo), na região Agreste.

O crime vinha sendo praticado há vários dias e colocava em risco a segurança dos frequentadores do local. O eletro traficante ficou detido na Delegacia de Nova Cruz, onde foi arbitrada fiança pelo delegado de plantão e, após pagamento, foi solto nesta 3ª feira (23).

De acordo com Gilmar Mikeias, Gestor da Cosern na região Agreste, as ações de combate aos furtos de energia elétrica foram intensificadas em todo estado. “O desvio de energia elétrica é crime, previsto no artigo 155 do Código Penal, e a pena pode chegar a quatro anos de reclusão”, lembrou Mikeias. “Além de crime, o gato representa risco de morte a quem faz e a quem está próximo”, complementou.

A infração também provoca perturbações no fornecimento de energia elétrica e parte do prejuízo é dividida por todos os consumidores na hora do reajuste tarifário homologado pela Aneel anualmente.

De janeiro a junho, a Concessionária registrou cerca de 1.600 ocorrências da prática criminosa em todo estado, a maioria feita por meio de denúncias anônimas da população por meio do telefone 116, todas comprovadas pelas equipes de campo.

A estimativa da Cosern é de que, por ano, são desviados em média 60 milhões de kWh de energia elétrica em todo estado com os “gatos” – o que representa um prejuízo médio de R$ 28 milhões à concessionária.


alrn-hoz