96 FM

Tomba Farias critica medidas paliativas do governo e revela que fornecedores não recebem há cinco meses

Em entrevista ao jornalista Diógenes Dantas, na 96 FM, o presidente da Comissão de Finanças e Fiscalização da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, deputado Tomba Farias (PSDB) disse que as medidas paliativas que o governo Fátima Bezerra (PT) está tomando não são suficientes para mudar o cenário da economia do Estado, que há cinco meses não paga aos fornecedores que prestam serviços para a administração estadual.

“As medidas paliativas vão levar a lugar nenhum. O governo está destinando todo o dinheiro que tem para manter a folha de pagamento”, disse o parlamentar, ao revelar que a cada mês que passa o governo acumula um déficit previdenciário da ordem de R$ 120 milhões.

Tomba Farias acredita que o estado não sairá da situação de crise, caso não sejam tomadas medidas que são urgentes e necessárias, como a venda de ativos, como Aero Clube, Arena das Dunas, Centro de Convenções, Caern e Potigás, além da federalização da Universidade do Rio Grande do Norte (UERN). “Qual é a medida que o governo está tomando para conter a sangria?”, questiona o presidente da Comissão de Finanças e Fiscalização da AL.

Na opinião do parlamentar, os chamados “recursos extras”, oriundos dos royalties, da venda da conta do Banco do Brasil, e que seriam destinados para o pagamento de servidores, são apenas uma forma de “adiar a dor”.

Citando a Lei Mansueto, através do qual o governo federal pretende emprestar recursos para os estados em crise, Tomba Farias destacou o risco de se contrair empréstimos sem saber de onde no futuro vai tirar o dinheiro para pagar o empréstimo.

“Como eu já disse, é apenas uma forma de adiar a dor. De onde vai vir o dinheiro para pagar a conta? Um dia a coisa topa. O governo recebe o empréstimo da Lei Mansueto, mas vai produzir que receita para pagar a dívida?”, perguntou.

Tomba Farias mostrou ainda que não concorda com projeto de Lei do governo do Estado que altera a legislação vigente do ICMS e prevê um aumento de até dois mil por cento do valor das multas. “Os empresários não aguentam mais pagar imposto”, enfatiza.

Fonte: Assessoria de Imprensa do deputado Tomba Farias


senhoritta

Tomba afirma que vandalismo e violência reduziu maioria entre Ivanildinho e Péricles

Em entrevista à Rádio 96FM, o deputado Tomba afirmou que o primeiro golpe na eleição foi a saída do Major Moura, do comando da Polícia Militar de Santa Cruz. “Com influência e participação da oposição, o Major Moura foi retirado do posto de comando, tudo isso para fazerem toda bagunça que aconteceu no final da eleição”, declarou Tomba.

O deputado ainda lembrou que o resultado foi apertado diante de tanta violência e vandalismo. “Eu, Fernanda e Ivanildinho sofremos a maior campanha de mentiras e difamações da história de Santa Cruz. Nós não conseguíamos fazer campanha, com pessoas da oposição intimidando, atrapalhando e procurando nos prejudicar. Teve muitas vezes que nossa militância estava conversando de casa em casa e eles foram perseguir e atormentar nosso grupo”, revelou Tomba, que complementou com algo ainda não dito na imprensa, com exclusividade na 96FM. “Na semana anterior da eleição a gente sabia que o resultado seria o dobro do que for nas urnas. Mas isso não foi expressado corretamente porque destruíram veículos, ameaçaram nossas lideranças. Foi o vandalismo e a violência que diminuiu a maioria de Ivanildinho”, declarou.

Tomba também insinuou que foi ameaçado. “Nós recebemos recados que não devíamos ir em alguns bairros, que não devíamos ir em algumas ruas e em algumas localidades. Nós fomos intimidados durante toda a campanha. Existiram uns três bairros ou setores que eu não visitei, por que tivemos intimidações”, revelou Tomba.

“Mas vencemos a tudo e a todos. O bem venceu o mal”, expressou o deputado, em sua sexta vitória nas eleições municipais de Santa Cruz.


r87

Tomba em entrevista na 96FM fala de cenário indeciso para o Governo do Estado

O deputado estadual Tomba Farias (PSB) concede entrevista neste momento à Rádio 96FM, em Natal. Sobre as eleições 2018, para Governo do Estado, o deputado acredita que os nomes mais fortes são o de Carlos Eduardo e Fábio Dantas dentro desse processo.

Tomba acredita que Carlos Eduardo será candidato e aguarda definição do cenário para que o seu grupo possa também definir o projeto político para estas eleições. A definição desse cenário tem Fábio Dantas no PSB, o qual Tomba elogiou de comemorou seu ingresso no partido.

Quanto às candidaturas de Fátima Bezerra e Kelps Lima, o deputado não vê força suficiente para ganhar a eleição de 2018. Na opinião dele, Fátima Bezerra poderá chegar a um segundo turno, mas não teria força suficiente para vencer. Quanto ao seu colega de plenário, Kelps é um bom nome, mas não teria articulação para dar sustentação a essa candidatura.

Tomba disse aguardar as articulações do seu partido para ter uma posição clara de qual projeto político seguir para Governo do Estado.


senhoritta