ANEEL

Com aumento do preço na energia elétrica, preços podem ficar mais altos

Há 16 dias, a Agência Nacional de Energia Elétrica criou um novo patamar de bandeira tarifária para as contas de luz que deve encarecer 6,78% as faturas dos consumidores. Com esse aumento, a ALSHOP (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) diz que a conta vai influir nos aluguéis e o preço dos produtos do varejo podem ficar mais caros ao consumidor.

Segundo a ALSHOP, a energia elétrica representa cerca de 30 a 40% dos custos condominiais, sendo que o ar condicionado chega a 60% desse valor. A preocupação maior para os lojistas é ter que repassar os novos valores para o consumidor final.

“Com a crise hídrica e a alta nos preços da energia com certeza irá impactar no varejo, uma vez que os produtos comercializados podem ficar mais caros, por conta da inflação, da elevação do dólar e dos combustíveis encarecendo os custos, e os lojistas terão que repassar esse aumento para os clientes. Estamos ainda caminhando lentamente para recuperar a economia, e de alguma forma, isso pode contribuir para uma retomada um pouco mais lenta”, comenta Luis Augusto Ildefonso, diretor institucional da ALSHOP.

Mesmo antes do novo patamar de bandeira tarifária, os shoppings e centros de compra implantavam equipamentos e até ações com foco na sustentabilidade, e agora, muitos estão buscando alternativas. “Tanto shoppings como lojistas estão procurando melhorar a eficiência dos equipamentos, assim sendo a automação de escadas rolantes, elevadores inteligentes, uso de geradores na hora de pico, equipamentos de ar condicionado inteligentes, iluminação de leds, uso de iluminação e ventilação natural é uma preocupação constante dos administradores”, finaliza, Ildefonso.


alrn-hoz

Davi quer que Aneel casse concessão da Isolux no Amapá e que Eletronorte assuma

O presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre, vai exigir, junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), investigação rigorosa das responsabilidades da empresa Isolux, concessionária responsável pela subestação de energia elétrica no Amapá, no caso do apagão que atingiu o estado. Davi defende que a empresa perca a concessão e que a Eletronorte assuma o comando da subestação no Amapá.

“Os amapaenses exigem a apuração das autoridades e que a responsabilidade de todos os fatos que levaram ao apagão no estado sejam rigorosamente investigadas e que, se comprovada a negligência da empresa Isolux, que a concessão seja imediatamente cassada e que a Eletronorte assuma o comando da subestação no Amapá”, afirmou.

SABOTAGEM

Davi também informa que solicitou ao general Adilson Giovani Quint, comandante da 22° Brigada de Infantaria de Selva- Foz do Amazonas, que dê segurança e proteja a subestação de possíveis sabotagens.

“Neste momento, é importante garantir a segurança do transformador, que possibilitou o restabelecimento parcial da energia no estado. Mas é preciso mais do que isso. É fundamental que se investiguem as causas que acarretaram o incêndio na subestação no Amapá. E que os responsáveis sejam exemplarmente punidos para que essa tragédia nunca mais se repita.”

Fonte: Agência Senado


senhoritta