Dengue

Sesap divulga novo boletim epidemiológico das arboviroses no RN

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) divulgou nesta terça-feira (29), o mais recente boletim epidemiológico das arboviroses no Rio Grande do Norte, referente ao período compreendido entre a Semana Epidemiológica 1 até a 10, encerrada em de 12 de março de 2022. O boletim traz um panorama do cenário epidemiológico das arboviroses nesse início de ano, comparando os dados com os registrados no mesmo período de 2021.

No que diz respeito à dengue, foram notificados, até a Semana Epidemiológica 10, 1.754 casos suspeitos de dengue no RN, dos quais 229 foram confirmados, 1.252 casos considerados prováveis, 502 descartados e um óbito em processo de investigação. A incidência apresentada foi de 35,16 casos prováveis por 100.000 habitantes.

Uma comparação entre os mesmos períodos de 2022 e 2021 aponta para um aumento no número de casos confirmados de dengue: neste ano até a Semana Epidemiológica 10, ocorreram 229 confirmações para dengue, enquanto em 2021 foram 179.

Com relação à Chikungunya, foram notificados no RN, até a Semana Epidemiológica 10, 787 casos suspeitos da doença, sendo confirmados 148 casos, 710 casos considerados prováveis, 77 descartados e nenhum óbito confirmado. A incidência foi de 19,94 casos prováveis por 100.000 habitantes. Em 2021, no mesmo período foram notificados 303 casos, o que indica um aumento nas notificações de Chikungunya em 2022.

Já no que diz respeito à Zika, entre a semana epidemiológica 1 e 10 de 2022 no RN, foram notificados 153 casos suspeitos da doença, sendo confirmados 15 casos, 130 casos considerados prováveis, 23 descartados e nenhum óbito confirmado. A incidência foi de 3,65 casos prováveis por 100.000 habitantes.

Com relação a casos de Zika em gestante, houve sete notificações em 2022, mas nenhum caso foi confirmado, por critério laboratorial. O quantitativo de casos de Zika em gestantes é destacado na análise do cenário epidemiológico, devido à capacidade do Zika Vírus provocar microcefalia ou alterações no sistema nervoso central do feto gestado.

“Em relação a todas as arboviroses, observamos em 2022 um aumento nos números em relação ao mesmo período do ano passado. Entre os três agravos, predominam as notificações de dengue. Em 2021, percebemos que as notificações ocorriam muito na Região do Trairi (5ª Região de Saúde), porém, neste ano, as notificações estão maiores na Região Agreste, onde se situa a 1ª Região de Saúde, bem como na Região do Seridó, que corresponde à 4ª Região de Saúde”, informou Silvia Dinara, responsável técnica pelo Programa Estadual de Controle da Dengue.

Os municípios que apresentaram maior incidência de dengue foram Passa e Fica, Santo Antônio, Serrinha e Várzea (1ª Região de Saúde) e Jardim do Seridó e Parelhas (4ª Região de Saúde). Em relação à Chikungunya, a predominância da notificação de casos também ocorreu em Passa e Fica, Santo Antônio, Serrinha, Várzea e Jardim do Seridó. Quanto à Zika, destacaram-se nas notificações os municípios de Santo Antônio e Várzea, além de Guamaré, pertencente à 3ª Região de Saúde.

No Rio Grande do Norte, foi detectada a circulação dos sorotipos 1 e 2, que, em alguns municípios, ocorrem simultaneamente.

PREVENÇÃO

A Sesap reforça, junto à população, os cuidados necessários para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor das arboviroses:

  • Mantenham os quintais livres de possíveis criadouros do mosquito;
  • Esfreguem com bucha as vasilhas ou reservatórios de água de seus animais;
  • Não coloquem lixo em terrenos baldios;
  • Mantenham as caixas d´água sempre tampadas;
  • Observem vasos e pratos de plantas que acumulam água parada;
  • Observem locais que possam acumular água parada como: bandeja de bebedouros e de geladeiras, ralos, pias e vasos sanitários sem uso;
  • Recebam a visita do agente de endemias, aproveitando a oportunidade para tirar possíveis dúvidas;
  • Mantenham em local coberto, pneus inservíveis e outros objetos que possam acumular água.

Confira abaixo o boletim epidemiológico das arboviroses no RN na íntegra:


senhoritta

Carro fumacê vai circular em Santa Cruz a partir da próxima segunda-feira (18)

O combate ao mosquito Aedes aegypti em Santa Cruz ganhará um importante reforço. A partir da próxima segunda-feira (18) o carro fumacê passará a circular nas ruas da cidade. A informação foi confirmada pela secretaria municipal de Saúde.

Os números recentes de notificações das doenças geradas pelo Aedes, dengue e chikungunya, mais o índice de infestação do mosquito registrado nesta época do ano são indicadores que permitem a utilização do carro fumacê entre as ações de enfrentamento dessa problemática.

Segundo a secretária municipal de Saúde, Myllena Bulhões Ferreira, o carro fumacê é enviado pelo Estado, com o município se responsabilizando pela acomodação dos profissionais, alimentação, bem como despesas geradas pela utilização do equipamento durante 17 dias, período previsto de permanência do carro fumacê em Santa Cruz/RN. A secretária também alertou a população sobre alguns cuidados. “É extremamente importante que a população, ao perceber a aproximação do carro, abra portas e janelas das residências para que o inseticida atinja o interior dos imóveis e elimine os mosquitos, porém, inalar esse produto pode representar um certo risco para pessoas com problemas respiratórios e idosos, então, usar máscaras ajuda a prevenir possíveis consequências negativas ou, se possível, não permanecer no imóvel durante a passagem do carro fumacê”, explicou.


m4net

Prefeitura de Santa Cruz vai intensificar ações de combate à dengue

A situação das doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypti em Santa Cruz tem preocupado as autoridades de saúde do município e do RN. O município já registrou quase 300 casos notificados de dengue, com mais de 30 confirmações.

Na última sexta-feira (03), um encontro entre os técnicos das secretarias municipal e estadual de Saúde foi realizado visando chamar atenção de todos para a união de esforços garantindo que o combate ao mosquito Aedes Aegypti seja ampliado na cidade.

Como encaminhamentos do encontro, o município de Santa Cruz vai elaborar um plano de ações para que, de forma intersetorial, possa agir para combater o mosquito nas residências das pessoas e nos terrenos baldios da cidade.

Além disso, o município já solicitou ao estado a presença do carro fumacê, mas o governo não tem atualmente o larvicida e quando a situação for resolvida, o carro será enviado para ajudar no combate ao mosquito na capital do Trairi.

Mesmo com todo esse trabalho sendo intensificado, a população ainda é peça fundamental no combate ao mosquito Aedes Aegypti. Mais de 10% das residências santa-cruzenses tem focos da dengue, e esse combate precisa ser iniciado em casa para que o problema seja minimizado.

São atitudes simples, especialmente de não deixar água parada, que servem para evitar a presença do mosquito e sua proliferação.


senhoritta