UFRN retoma as aulas presenciais no dia 28 de março

Estudantes devem seguir orientações do Protocolo de Biossegurança da UFRN – Foto: Cícero Oliveira

Chegar à Universidade, passar na cantina, bater papo com os amigos, ir à sala de aula e aproveitar mais um dia de aprendizado. Esse dia a dia, que antes parecia comum, nunca foi tão valorizado atualmente, após dois anos de ensino remoto em decorrência da pandemia da covid-19. No dia 17 de março de 2020, as salas de aulas se fecharam, as pessoas foram para casa e, muitas delas, ainda não voltaram a pisar nos campi da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Outras ingressaram na instituição durante a pandemia e, apesar de já serem veteranas, são consideradas calouras quando o assunto é conhecer o campus universitário. Diante dessa realidade, o dia 28 de março traz uma grande expectativa, quando a comunidade estará “De volta à UF” com atividades presenciais.

Entre os estudantes que esperam ansiosos está Luiz Henrique Araújo Dantas, que se formou em Ciências e Tecnologia durante o período remoto, e neste ano ingressa no curso de Engenharia da Computação. Acostumado ao movimento do campus universitário antes da pandemia, o aluno relata que a falta de pessoas lhe causou estranheza quando visitou o local durante as atividades remotas, para demandas ligadas ao estágio na Pró-Reitoria de Graduação (Prograd). “A partir do dia 28 eu poderei ver a transição de um campus deserto para um campus com mais pessoas, além de contar com a companhia dos meus amigos”, comemora.

Ester de Brito, por sua vez, é aluna do curso de Pedagogia desde 2021 e nunca havia conhecido a UFRN até o dia 8 de março, quando visitou o campus central para conceder esta entrevista. Sua primeira experiência presencial contou, obviamente, com o momento inicial de se perder entre as ruas da instituição, além da comum admiração pela beleza da UFRN. “Aqui é lindo”, dizia a universitária, que não escondia a curiosidade de explorar todos os cantos e a empolgação para conhecer pessoalmente o prédio do Centro de Educação, onde assistirá às aulas a partir do dia 28. Natural do município potiguar de Caiçara do Norte, Ester, atualmente, mora com os tios, em São Gonçalo do Amarante, para ficar mais perto da Universidade.

AÇÕES PARA O RETORNO PRESENCIAL

Com a suspensão das atividades presenciais na UFRN, foi dado início ao planejamento para o novo contexto de pandemia. Para tanto, de forma gradual e segura, as atividades presenciais foram retomando, o que exigiu diversas medidas até chegar à aprovação do retorno 100% presencial para o dia 28 de março, conforme decisão dos Colegiados Superiores. Uma iniciativa foi o Protocolo de Biossegurança – documento elaborado por técnicos da segurança do trabalho e aprovado pelo Comitê Covid-19 da UFRN. Outra ação fundamental para o retorno, aprovada por unanimidade pelos Colegiados Superiores, foi a exigência da comprovação do esquema vacinal contra a covid-19.

Em diálogo com a comunidade universitária, também houve o fortalecimento das ações de permanência estudantil durante o ensino remoto, com a oferta dos auxílios instrumental e de inclusão digital, e para a retomada presencial, a exemplo da criação do auxílio para aquisição de equipamentos de proteção individual (EPIs). Outro esforço que tem sido realizado é a reabertura do Restaurante Universitário (RU). Até que os trâmites logísticos sejam concluídos, os estudantes em vulnerabilidade socioeconômica continuarão recebendo auxílio alimentação. Nas Residências Universitárias, para evitar aglomeração, nos próximos meses, a ocupação máxima será de 60%. Os alunos que não forem contemplados com a possibilidade de residir nesses espaços receberão auxílio moradia, por meio de seleção em edital.

A garantia do transporte circular no campus central é outra pauta constante nas reuniões da gestão universitária com os órgãos responsáveis pela mobilidade pública da cidade. Nessa perspectiva, no dia 4 de março deste ano, a Reitoria enviou ofício para a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), informando o retorno das aulas e demais atividades de forma presencial e ressaltando a necessidade do transporte circular gratuito para a comunidade universitária.

Um espaço de grande circulação é a Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM), que estará aberta das 7h30 às 22h, no início do ano letivo. Adequando-se ao novo protocolo de limpeza, os espaços serão abertos gradativamente, começando pelas áreas de acervo, seguidas pelos serviços de visitas e treinamentos, que serão agendados. Ao longo do mês de abril, há ainda a previsão de abertura das salas de estudo.

As cantinas, quiosques e copiadoras também fazem parte do cotidiano dos universitários, por esse motivo, a UFRN realizou licitação e convocou os novos cessionários para assinatura dos contratos. Espera-se que esses espaços estejam em funcionamento no retorno presencial, para o qual também foi planejada a aquisição dos produtos de limpeza exigidos no Protocolo de Biossegurança.

NAS SALAS DE AULA

Os Centros, Institutos e Unidades Acadêmicas são responsáveis por preparar as principais estruturas frequentadas pelos estudantes, como as salas de aulas e os laboratórios, por exemplo.

Na Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa), em Santa Cruz, as atividades práticas dos componentes curriculares acontecem de forma presencial desde o mês de janeiro de 2021, seguindo as orientações do Protocolo de Biossegurança da UFRN. Além disso, foram estabelecidos protocolos e novos fluxos para o enfrentamento da pandemia de covid-19 junto aos setores, entre eles a clínica integrada, o setor de aulas, a biblioteca e o almoxarifado. Para 2022.1, foram reiterados os procedimentos em vigor na Facisa, como a manutenção e preparação dos espaços adequados para realização das aulas e outras atividades nos Blocos I e II e no anexo Miguel Lula de Farias.

“Hoje, mesmo com as irreparáveis vidas perdidas, estamos voltando para um novo recomeço. Nossos reencontros serão marcados por desafios que serão superados, ou ao menos, minimizados, com o nosso acolhimento, união e perseverança na arte de se reinventar para cumprir nossa missão de educar e transformar vidas. Cada vez mais convictos de que estamos em uma instituição pública, gratuita, de qualidade, socialmente referenciada, que avançou em sua missão de ser inclusiva e é o despertar de inúmeros sonhos e, com eles, novos desafios para juntos trilharmos em 2022”, destaca Klayton Sousa, vice-diretor da Facisa.

Marcações:

Deixe uma resposta


r87 500px