Internacional

Asteroide gigante vai passar perto da Terra no começo da noite desta terça, afirma Nasa

Foto: Johns Hopkins/Nasa

Um asteroide de aproximadamente um quilômetro de largura irá passar perto da Terra no começo da noite desta terça-feira (18). Auge de proximidade é previsto para 18h50 (horário de Brasília).

Segundo a Agência Espacial Americana (Nasa), o objeto não poderá ser visto a olho nu, porém, deve passar a uma distância de aproximadamente dois milhões de quilômetros do planeta (maior proximidade prevista para os próximos dois séculos).

O asteroide recebeu o nome 7482 (1994 PC1) e estima-se que ele atinja a velocidade de 76.192 km/h.

Embora tenha proporções gigantes para um objeto espacial, ele não é o maior corpo que já se aproximou da Terra. Anteriormente, em 2017 o 3122 Florence (1981 ET3) tinha dimensões entre 4 e 8,4 quilômetros de largura (ele deve fazer outra passagem pelo planeta em 2057).

Para ser considerado um objeto que “se aproximou da Terra” o detrito espacial deve passar a uma distância de, pelo menos, 48 milhões de quilômetros.

A Nasa e outras agências espaciais tem como seu principal foco detectar a ameaça de objetos espaciais que possam colocar a vida humana em risco.

Teste de impacto

Em novembro, a Nasa lançou uma missão teste com o objetivo de proteger o planeta de futuras ameaças. O alvo é o Dimorphos, satélite que tem o tamanho de um campo de futebol e orbita o asteroide Didymos – que é cinco vezes maior. O choque vai ser a 11 milhões de quilômetros da Terra.

O impacto, esperado para setembro de 2022, será tão intenso que vai criar a primeira chuva de meteoros provocada pelo homem.

Fonte: G1


m4net

Papa Francisco fala sobre paternidade

Foto: Reprodução/Vatican.va

O Papa Francisco não agradou a rede mundial ao pedir que as pessoas olhassem para os órfãos, e pensassem na responsabilidade de ser pai ou mãe. As palavras do pontífice não foram bem recebidas, e boa parte da mídia, mais uma vez, distorceu a reflexão feita pelo Papa. Em sua catequese com os peregrinos na Sala Paulo VI, no Vaticano, o Papa falou sobre a figura de São José como pai adotivo de Jesus.

Segundo o Papa, pensar na paternidade hoje é algo “muito importante”. “Vivemos numa época de notável orfandade. É curioso: a nossa civilização é um pouco órfã, e sente-se esta orfandade. Ajude-nos a figura de São José a entender como se resolve o sentido de orfandade que hoje nos faz tanto mal”.

O Papa Francisco afirmou que não é suficiente pôr um filho no mundo para dizer que também somos pais ou mães. “Não se nasce pai, torna-se tal… E não se torna pai, apenas porque se colocou no mundo um filho, mas porque se cuida responsavelmente dele. Sempre que alguém assume a responsabilidade pela vida de outrem, em certo sentido exerce a paternidade a seu respeito”, disse o Sumo Pontífice.

Em seguida, o Papa afirmou que pensava, em particular, “em todos aqueles que se abrem a acolher a vida através da adoção, que é uma atitude tão generosa e positiva”.

Nesse sentido, Francisco afirmou que hoje, “também, com a orfandade, existe um determinado egoísmo”. “Há dias, falei sobre o inverno demográfico que há atualmente: as pessoas não querem ter filhos, ou apenas um e nada mais. E muitos casais não têm filhos porque não querem, ou têm só um porque não querem outros, mas têm dois cães, dois gatos… Pois é, cães e gatos ocupam o lugar dos filhos. Sim, faz rir, entendo, mas é a realidade. E esta negação da paternidade e da maternidade diminui-nos, cancela a nossa humanidade. E assim a civilização torna-se mais velha e sem humanidade, porque se perde a riqueza da paternidade e da maternidade. E a Pátria que não tem filhos sofre e – como dizia alguém um pouco humoristicamente – “e agora quem pagará os impostos para a minha reforma, que não há filhos? Quem se ocupará de mim?”: ria, mas é a verdade”, disse Francisco.

“A paternidade e a maternidade são a plenitude da vida de uma pessoa. Pensai nisto. É verdade, existe a paternidade espiritual e a maternidade espiritual para quem se consagra a Deus; mas quem vive no mundo e se casa, deve pensar em ter filhos, em dar a vida, pois serão eles que lhes fecharão os olhos, que pensarão no seu futuro. E também, se não podeis ter filhos, pensai na adoção. É um risco, sim: ter um filho é sempre um risco, quer natural quer adotivo. Mas pior é não os ter, é negar a paternidade, negar a maternidade, tanto a real como a espiritual. A um homem e a uma mulher que voluntariamente não desenvolvem o sentido da paternidade e da maternidade, falta algo principal, importante. Pensai nisto, por favor”, aconselhou.

O Papa disse esperar que as instituições “estejam sempre prontas a ajudar neste sentido da adoção”. “Controlando seriamente, mas também simplificando o procedimento necessário para que se realize o sonho de tantos pequeninos que precisam de uma família, e de tantos cônjuges que desejam entregar-se com amor”, e ainda complementou: “Rezo para que ninguém se sinta sem um vínculo de amor paterno. E quantos estão doentes de orfandade continuem em frente sem este sentimento tão negativo. Possa São José exercer a sua proteção e a sua ajuda sobre os órfãos; e que interceda pelos casais que desejam ter um filho”, finalizou.

Com informações Vatican e Aleteia


senhoritta

EUA ultrapassam média diária de 300.000 casos, a maior da pandemia

Foto: Reprodução/Internet/WordPress

A média móvel de novos casos de Covid-19 bateu recorde nos Estados Unidos nesta quinta-feira (30) e ultrapassou a marca de 300 mil pela primeira vez desde o início da pandemia. 

Com 488 mil novos diagnósticos registrados na quarta, o índice chegou a 301,4, de acordo com dados do The New York Times – na última segunda (27) o país já havia registrado mais de 500 mil infecções por coronavírus.

Esse número pode ser ainda maior devido à popularização dos testes caseiros no país e a alta quantidade de pessoas infectadas, mas assintomáticas. O motivo do aumento se justifica pela propagação da variante Ômicron no país, que elevou os números de novos casos diários, superando a marca histórica de janeiro, durante o inverno no hemisfério Norte.

Já a média móvel de mortes ultrapassou a marca de 1.500 desde a última terça-feira (28) e segue em 1.546,14, segundo dados do Our World in Data. No entanto, esse número é bastante inferior em comparação a janeiro, quando o índice ultrapassou os 3.400 óbitos em 24 horas.

Especialistas apontam ainda que dificilmente o número de hospitalizações chegará perto do recorde, uma vez que a campanha de vacinação e os tratamentos avançaram consideravelmente em relação ao inverno passado.

Dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) mostram que os não vacinados são a grande maioria dos internados do país, ainda que a eficácia da vacina diminua com o tempo.

Os Estados Unidos seguem em primeiro lugar no ranking mundial de casos e mortes cumulativas. Com uma rápida campanha de imunização no início do ano, o país viu o ritmo cair consideravelmente devido à recusa de grande parte da população em receber as doses.

Desde o início da pandemia, 53,6 milhões de americanos foram infectados pelo coronavírus e 822.892 vieram a óbito.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) relatou que os novos diagnósticos aumentaram 11% em todo o mundo na última semana. Na terça-feira (28), mais de 1 milhão de infecções foram registradas em 24 horas pela primeira vez desde o início da pandemia.

Fonte: Veja


alrn-hoz

Os sintomas da nova variante Ômicron

Descoberta na semana passada na África do Sul e classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma variante de preocupação (VOC), a Ômicron chegou ao Brasil. A nova cepa foi identificada em São Paulo. O que se sabe até agora é que os sintomas da Ômicron são diferentes dos da Delta, a responsável pela maioria dos casos recentes de covid-19 no mundo.

A médica Angelique Coetzee, que atendeu a vários pacientes com a nova variante antes de ela ser descoberta, percebeu uma mudança nos sintomas apresentados pelos doentes. Segundo ela, que também é presidente da Associação Médica da África do Sul, os sintomas da Ômicron relatados pelos pacientes foram:

  • cansaço;
  • dores musculares;
  • “coceira na garganta” ou “garganta arranhando”;
  • febre baixa (em poucos casos);
  • tosse seca (poucos casos).

De acordo com a médica, os sintomas da Ômicron são mais parecidos com a variante Beta. O cansaço foi o principal motivo que levou as pessoas a procurarem pela a ajuda da médica. Os sintomas mais comuns da Delta eram pulsação elevada, baixos níveis de oxigênio e perda de olfato e paladar.

Até agora, os pacientes infectados pela Ômicron apresentaram apenas sintomas leves. No entanto, a nova variante preocupa a OMS e os países por causa das 50 mutações que a nova cepa apresenta, sendo 32 apenas na proteína S, principal alvo das vacinas desenvolvidas até o momento. Acredita-se também que ela pode ser mais transmissível que a Delta, já que aumentou o número de casos de Covid-19 da África do Sul.

Fonte: Exame


contex

Nova variante do coronavírus preocupa autoridades sanitárias em todo o mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a descoberta de uma nova variante do coronavírus. Batizada de Ômicron, a cepa B.1.1.529 está sendo estudada pela comunidade científica, e o que se sabe até o momento é que ela é mais potente do que as outras, e até as mais conhecidas e temidas Beta e Delta.

A variante foi encontrada na África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. Países como Isarel e Hong Kong também registraram um caso cada. Na Europa já tem casos confirmados ou suspeitas, que fez as velhas medidas restritivas serem retomadas.

Especialitas afirmam que não existe certeza sobra uma nova onda de contaminações, mas não é impossível.


r87